artigos relacionados

Mostre ao mundo quem você é

Peguei um Uber e como sempre comecei a conversar com o motorista. Eu gosto de saber o que fazia antes de se tornar motorista de aplicativo e se a nova profissão começou antes ou depois da pandemia. E assim conheço engenheiros, professoras, farmacêuticos, administradoras…

Meu impulso de sempre é querer arrumar emprego para todo mundo, mas como sei que não consigo sozinha, inicio uma conversa sobre o mercado de trabalho, as possibilidades que podem surgir se mostrar ao mundo quem é. E na grande maioria das vezes recebo de volta a resposta: eu não gosto de me expor.

Com o advento das redes sociais e a explosão de produtores de conteúdos, já virou piada ser chamada de blogueirinha quando dividimos o nosso conhecimento nas redes. Eu ouvi isso em 2019 quando produzia conteúdos rede vizinha. Um colega de trabalho deu um print numa publicação de uma palestra que eu ia fazer na universidade e jogou no grupo do futebol com a seguinte pergunta: quem ela pensa que é?

Muitos saíram em minha defesa e hoje penso em como me senti com aquela notícia. Não era sobre mim e sim sobre ele. A minha vida seguiu e meus boletos foram pagos independente da opinião alheia.

Quando criança não temos vergonha de nada, construímos castelos de lego, vestimos fantasias para ir ao supermercado, dançamos em festas, cantamos músicas sem medo da nossa voz. Mas em algum momento, vem aquela tia chata e diz: você é muito exibida, senta aqui quietinha, se comporta e você entende que o certo é não chamar a atenção.

Aí quando uma desconhecida e te fala para mostrar ao mundo suas habilidades imediatamente sua resposta é: não gosto de aparecer. Prefiro ficar nos bastidores da vida. Quietinha.

Acontece que a vida é sua. Não dá para deixar alguém assumir o volante do seu carro e ficar no banco do passageiro, pois você sempre vai depender do motorista para conduzir seu destino e escolher o melhor caminho para você. Ou se você é o motorista mas sem autonomia nenhuma para escolher o seu destino, está no piloto automático.

Tias chatas vão surgir pelo caminho, pode ter certeza, a grande questão é que ela tem tanto medo de brilhar que não permite que as pessoas ao redor dela brilhem. E aí ela tenta, para o seu bem, apagar seu brilho. É uma escolha sua, permitir ou não.

E eu te convido a olhar para trás, escrever um texto sobre a sua trajetória profissional. Olhar para tudo que fez até aqui, como foi a escolha de cada etapa, quem estava ao seu lado e como se sentiu. Como você sentiu orgulho de onde chegou e mesmo que hoje não esteja no trabalho dos seus sonhos, o que poderia fazer se assumisse a direção da sua vida?

“O mundo não tem braços e pernas a não ser o seu”.

Ocupe o lugar do motorista e vire a chave para ligar o motor. Pode ser que antes de engatar a marcha, seu coração acelere, dê um nervosinho, mas tira o pé da embreagem e pisa no acelerador suavemente. Aos poucos, mude a marcha e dirija na estrada que você escolheu. É você que está no comando agora, percebe?

É a sua vida, a sua escolha e existem diversos caminhos para seguir. Só não vale ligar o carro e continuar no estacionamento. O mundo precisa de você.

Estou aqui, esperando você chegar para tomarmos um café. Você vem?

Beijo no ♥

Ticyana Arnaud

No próximo sábado, começa a segunda turma do Workshop LinkedIn com Produção de Conteúdopara quem deseja começar a botar a cara no sol, sair do banco do motorista e assumir a direção. Nas aulas sobre LinedIn eu você vai aprender a usar a plataforma com estratégia para alcançar seus objetivos e nas aulas de produção de conteúdo com a Dalva Corrêa você vai aprender que é possível escrever sem medo. As inscrições estão abertas aqui.

Para mais conteúdos, stories e gargalhadas, vamos nos conectar no instagram