artigos relacionados

Como criar conexões verdadeiras no LinkedIn

É central ao ser humano o desejo de conexão. Pessoas, independente da idade, sentem a necessidade de ter alguém ao lado para compartilhar momentos da vida.

Te escrevo nessa segunda-feira mais cedo. Acabei de ligar a cafeteira e na playlist toca uma música parisiense. Meu coração me disse que algum dia estarei nesse mesmo horário tomando um café com croissant numa calçada ensolarada de Paris. De preferência ao lado de uma boa companhia.

Aqui da minha janela vejo as crianças correndo lá em baixo, a casa está em silêncio e o cheiro do café passando, espalha pelo corredor se misturando a essência de lavanda que acabei de colocar no difusor. Sinto falta de movimento, das pessoas falando alto, das gargalhadas e conversas sem fim.

Estava lendo agora pouco sobre como o isolamento fez aumentar o número de pessoas presentes nas redes sociais e aplicativos de relacionamentos. O Brasil já é o terceiro país que mais utiliza as redes sociais, ficando atrás apenas da Colômbia e Filipinas.

A verdade é que somos apaixonados por essa conexão com as pessoas, somos um país extremamente afetuoso e acolhedor, gostamos de encontros, rodas de conversas, bater papo no barzinho da esquina e na internet não seria muito diferente disso. Somos a galera do abraço, mesmo que seja virtual.

Nas redes sociais, estamos conectados com todos. Desde a vizinha do condomínio ao colega de trabalho e essa relação de amizade e trabalho tem se dividido em diversas plataformas. Aqui no LinkedIn ainda é um ambiente que as pessoas se sentem pouco à vontade no início. Meus mentorados relatam o mesmo: ficam receosos de escrever alguma coisa que pode ser lida pelos colegas de trabalho ou até mesmo pelo gestor. Mas eu sempre falo que o medo do novo nos faz perder inúmeras oportunidades.

Desde quando comecei a utilizar a rede, percebi que o perfil de usuários tem mudado bastante. Eu mesma mudei a minha forma de usar o LinkedIn. Quando fiz meu perfil em 2014, só vinha aqui buscar profissionais para contratação, na época trabalhava no RH e buscávamos candidatos para contratação. No ano seguinte, às vésperas de mudar de cidade, comecei a procurar e me candidatar as vagas. Recebi convites, fiz algumas entrevistas e parei de usar. Raramente entrava no meu perfil, tinha uma foto antiga e estava totalmente abandonado.

De volta em 2019, já estava tudo diferente, vários recursos novos, um feed com publicações e notícias, influenciadores, destaques e Top Voices. Fiquei meio perdida, confesso. Mas a grande diferença que percebi, foi um acolhimento entre as pessoas. Senti que as interações eram com o intuito de ajudar. Estávamos com um número alto de desempregados devido a crise dos anos anteriores e muita gente recorreu a plataforma para conseguir emprego. Eu não tinha essa intenção, mas queria explorar um pouco mais.

Uma das minhas maiores dúvidas era por onde começar. Como escrever aqui sem parecer forçado, como ser eu mesma e ainda sim poder trazer um pouquinho da minha experiência profissional. Eu não queria escrever como quem escreve um artigo para o jornal, eu queria que as pessoas se identificassem com o que eu escrevia e conversassem comigo. Eu queria falar com as pessoas, eu gosto de gente, de bater papo, de conversar por horas sem parar, eu amo falar sobre qualquer assunto.

E foi isso que eu fiz, comecei a escrever como se estivesse conversando com alguém. Parei que buscar algo extraordinário e passei a olhar para o que me acontecia no dia a dia. Como se estivesse encontrando uma amiga no final do dia para bater um papo.

Aos poucos fui me conectando as pessoas, trazendo um pouco da minha experiência em forma de conteúdos, ajudando sempre que podia e percebi que era uma baita oportunidade de crescimento profissional. Aquela Ticy dos bastidores, passou a falar para cada vez mais pessoas e isso me fez ver que estar presente aqui abre portas para oportunidades que antes eu jamais sonharia. Além de ser reconhecida profissionalmente, mantenho a minha empregabilidade, recebo ofertas, convites e fecho contratos novos. E se em algum momento eu decidir deixar de ser empreendedora, posso voltar ao mercado de trabalho porque criei conexões verdadeiras.

Eu sei que é difícil mesmo destravar, começar a escrever e trazer você para uma rede onde parece que tem alguém te avaliado o tempo todo, dá um certo incômodo mesmo, mas passar por cima disso vale muito a pena.

Ontem a tardinha eu estava conversando com uma pessoa no inbox sobre esse medo de escrever aqui. E ela me perguntou se eu não iria abrir turma para quem deseja destravar no LinkedIn. Não estava nos meus planos para esse ano, mas depois de conversar com ela, decidi fazer uma Masterclass na próxima quinta-feira, dia 25. Uma aula fechada para compartilhar com mais profundidade toda a minha estratégia para crescer no LinkedIn e constuir uma rede de networking verdadeira, sendo você mesma.

Percebe como essa rede é incrível?

A masterclass será no dia 25/11 das 19h30 às 22h, pelo zoom e tem um valor simbólico de 47 reais. Para participar, clique aqui, faça a sua inscrição e a gente se encontra na quinta.

Beijo no ♥

Ticy